"Cavaleiro da Mão de Fogo" (1995) / Peças

de Xavier Villafañe

    Estreia: 30/03/1995
    Encenação/ dramaturgia: Gil Salgueiro Nave
    Interpretação: Eva Fernandes, Marco Ferreira 
    Cenografia: Vasco Fernando
    Figurinos: Miguel Rainha
    Sonoplastia: Alexandre Barata
    Desenho de luz: João Carlos Marques
    Marionetas e adereços: António Canelas, Tiago Frois
    Operação de Luz: Carlos Querido, Elizabete Antunes
    Direcção de montagem: Carlos Oliveira
    Fotografia: Paulo Nuno Silva
O Cavaleiro da Mão de Fogo é um espectáculo intemporal, contar histórias é assim um tempo sem tempo uma idade sem data. A poesia dos velhos saltimbancos trotamundos é o ponto de partida deste espectáculo. Uma poesia escrita em tons de azul e cinzento, entre o riso e a lágrima, entre o sim e o não, a angústia do bonecreiro quando um dia o seu personagem principal, o herói da história, se recusa a participar no espectáculo cansado que está de tantas viagens, incómodas aventuras, épicas batalhas contra bruxas e dragões num cenário de trapo e cartão. O Cavaleiro da Mão de Fogo é essa viagem pelo imaginário dos contos de fadas mas é também o teatro de quem mostra e apresenta, quando o actor se confunde com os seus próprios personagens e se representa a si próprio. Por uma operação de magia, bonecos e actores são duplos de si mesmos. Inspirado em velhíssimas tradições do teatro ambulante e artesanal concebi este espectáculo buscando ideias no teatro de marionetas, robertos, sombras, marotes, marionetas de vara, máscaras, capa e espada, rituais de um tempo antigo sempre à procura de renovação. Público, respeitável público, damas, cavalheiros e meninos. Verão agora um dos muitos episódios da vida aventurosa do valente e formoso tão valente em valentia: Cavaleiro da Mão de Fogo. Gil Salgueiro Nave

Outras peças em cena