"Ubelhas, Mutantes e Transumantes" (2006) / Peças

de Abel Neves

    Estreia: 20/10/2006
    Co-produção Teatro das Beiras | Teatro do Montemuro
    Dramaturgia: Abel Neves
    Encenação: Gil Salgueiro Nave
    Interpretação: Inês Mexia, Miguel Telmo, Pedro Fiúza, Sofia Bernardo, Abel Duarte, Eduardo Correia, Paulo Duarte e Tanya Ruivo
    Direção musical: Ricardo Rocha
    Cenografia e figurinos: Maria João Castelo e Ana Limpinho
    Cenários: Carlos Cal e Luís Santiago
    Cartaz: Helen Ainsworth
    Direção de cena: Abel Duarte
    Direção técnica: Zé Gustavo e Carlos Cal
    Desenho de luz: Paulo Duarte e Fernando Sena
    Operação e apoio técnico: Carlos Cal e Luís Ternos
    Montagem de banda sonora: Ricardo Rocha
    Fotografia: Paulo Nuno Silva
    Produção executiva: Paula Teixeira, Lúcia Simões, Eugénia Nunes
    Assessoria de imprensa: Paula Teixeira, Lúcia Simões, Teatro das Beiras
Dois lugares distintos da serra, em cima e em baixo, e em cada um deles prospera o negócio. Em cima, é a pastorícia com a tosquia das ovelhas e o fabrico do queijo; em baixo, na cidade, é a indústria têxtil. Lã Monte, homem gotoso e aldrabão, é o dono do negócio no cimo da serra. Monte Fio, viúva alegre e gananciosa, é a patroa da fábrica dos têxteis. Desejando ser donos de tudo, os dois querem comer-se um ao outro e põem em prática os planos para realizarem os seus desejos. A intriga vai revelando a natureza de todos os intervenientes com as suas manias, humores e patologias, e uma injustiça feita ao Pastor Bucólico, enquanto se vão urdindo as maquinações, irá provocar um desenlace inesperado e trágico. A sorte e o destino deixam os queijos, as lãs e a fábrica nas mãos de Lô Coentro - cozinheiro de Lã Monte - e de Lontrinni - a trabalhadora-modelo da fábrica de Monte Fio - e o futuro parece sorrir para eles.

Outras peças em cena