"Antígona" (2009) / Peças

de Sófocles / Brecht

    Estreia: 02/10/2009

    Tradução: António Conde
    Encenação: Gil Salgueiro Nave
    Cenografia e figurinos: Luís Mouro
    Música e sonoplastia: Helder Gonçalves
    Interpretação: António Alves Vieira, Fernando Landeira, Pedro Damião, Pedro da Silva, Rui Raposo Costa, Sónia Botelho e Teresa Baguinho
    Produção: Alice Dias
    Secretariado: Eugénia Nunes
    Assessoria de imprensa: Vanessa Silva
    Fotografia: Paulo Nuno Silva

A obra representa o dilema do entendimento da contradição entre dois conceitos fundamentais do direito; o direito do indivíduo e o direito do Estado. Creonte desvaloriza as obrigações implícitas aos laços de consanguinidade, e Antígona valoriza-os ao ponto de assumir um conflito com o Estado. Ambos actuam com a intransigência que caracteriza os heróis. Duas fontes antagónicas do direito com dois protagonistas de poder desigual. O conflito entre a lei divina e a humana deixa visível o inevitável contraste entre a autoridade masculina, ditada por Creonte, e a resistência feminina, encarnada por Antígona. Esta tragédia permite-nos a reflexão sobre o mito, a solidão, a condenação, o suicídio e a morte. A versão de Brecht é realizada no rescaldo das cinzas da segunda guerra mundial. Antígona, o texto de Sófocles, representado pela primeira vez no ano 442 a.C. tem exercido um particular fascínio para gerações de espectadores e criadores despertando o desejo de o redescobrir à luz de novas reflexões, actualizadas na passagem dos tempos. A introdução de um prólogo contextualizado no ambiente deste conflito esclarece de forma definitiva e inequívoca o sentido universal e ao mesmo tempo contemporâneo desta obra. A nossa proposta procurará uma abordagem intemporal e metafórica que terá como pano de fundo os conflitos e o debate civilizacional que assola a sociedade contemporânea.

Outras peças em cena