"Cirineu, uma morte anunciada" (2010) / Peças

de Fernando Paulouro Neves

    Estreia: 16/06/2010

    Encenação: Antónia Terrinha
    Cenografia e figurinos: Luís Mouro
    Interpretação: Antónia Terrinha, Pedro Damião, Pedro Silva, Rogério Peixinho, Rui Raposo Costa e Teresa Baguinho Música original : Rogério Peixinho
    Desenho de luz: Fernando Sena e Joana Oliveira
    Produção: Alice Dias
    Secretariado: Eugénia Nunes
    Assessoria de imprensa: Vanessa Silva
    Fotografia: Paulo Nuno Silva

Ténue é a fronteira que distingue o justo, do justiceiro, num mundo desigual.
Num tempo, onde ser pobre, era ser infame, Cirinéu aparece-nos como um grito de revolta dos oprimidos, dos fracos, dos malnascidos…
Esta é a história de um passado recente, dividida em ricos e pobres; entre quem tem o poder e quem é subjugado e onde a impunidade de quem manda, contrasta com a fragilidade de quem nada pode.
Ontem, como hoje (em que as desigualdades sociais são cada vez mais acentuadas), é uma história para não esquecer.

 

Outras peças em cena