Festival de Teatro 2020 / Programa


Auditório do Teatro das Beiras
24 de setembro de 2020
21h30

TEATRO DA RAINHA

Discurso sobre o filho-da-puta

 Alberto Pimenta

O filho-da-puta é um comemorativista, um amante das datas que celebram as mortes, um militante da acumulação do regresso do passado como peso e inércia dramática e kitch, ele grita em surdina para si mesmo “viva a morte”, como o general de Franco, pois cultua as abstracções herói-maníacas, a megalomania e a grandiloquência, sendo admirador da tortura e do castigo, da sevícia. Sim, nele, tudo tem a ver com a morte, como refere Pimenta, com celebrar a morte mas também com flores de plástico. Esta peça é um grito gramaticalmente impecável, rigoroso, pela liberdade livre e contra o preconceito e o amiguismo hipócrita e nepótico que continua a constituir os modos da nossa sociabilidade sempre muito atravessadas de ambições de poder e poderes. “AQUI JAZ O BEM-AMADO… ONDE AS MINHOCAS O COMEM; FOI HOMEM DALGUM ESTADO MAS PERDEU ESTADO DE HOMEM.”
Ficha técnica
Texto: Alberto Pimenta | Direção: Fernando Mora Ramos [Encenação] e Miguel Azguime [Composição Musical] | Quarteto de Cordas Vocais: Cibele Maçãs, Fábio Costa, Marta Taveira e Nuno Machado | Galeria de retratos de FDP’s: José Serrão | Estátuda do FDP: Mariana Sampaio | Iluminação: António Anunciação e Lucas Keating | Cenografia e figurinos: Fernando Mora Ramos

teatro | 1h40min. | maiores 14 anos


Auditório do Teatro das Beiras
25 de setembro de 2020
21h30

TEATRO ART'IMAGEM

Armazenados

 David Desola

Num armazém vazio de mercadoria, nada é mais legítimo do que pensar-se que o stock são os próprios empregados; neste caso, o Senhor Lino e o Nin. E, se os empregados são relegados à condição de mercadoria, estamos perante uma perversão evidente: sobre eles passa a imperar as leis de mercado em vez das leis laborais, criadas com o intuito de lhes assegurar a tal dignidade, entretanto abdicada em prol de uma soldada, supostamente atribuída em paga dos seus préstimos. Este texto, apesar de uma aparente singeleza, coloca-nos perante algumas questões essenciais, quer por sugestão, quer por identificação. Questões essas que versam fundamentalmente acerca da dignidade humana. Ficamos perante um impasse, que pode ao mesmo tempo ser de ordem puramente filosófica, como um pouco mais determinista e pragmática: Será mesmo que o trabalho dignifica o Homem? Se o livre arbítrio, como diz Deleuze, tem mais a ver com a capacidade de criar do que com questões ligadas à alma e a espiritualidade, ao Senhor Lino e ao Nin, a forma de se organizar socialmente deste tempo retirou-lhes essa possibilidade, o que nos inquieta enquanto criadores crentes numa arte que coloca questões em permanência no sentido de nos aproximar o mais perto possível da resposta às perguntas fundamentais: O que é um Homem? Ou então: o que é ser Homem? O texto põe em cena duas gerações distintas, duas conceções diametralmente opostas do mundo. Contudo, entre presente (Nin) e passado (Senhor Lino), há algo de comum: a certeza de que tudo será como sempre foi; que a seguir à luz segue a escuridão, ou vice-versa, tanto faz. Todo o espectáculo será balizado por uma lógica do vazio; porque é dentro dessa lógica que decorre toda acção da peça: um amplo espaço vazio; o logro de um ofício que não existe; a relação entre dois desconhecidos. A peça é também uma abordagem do tempo: o tempo de uma jornada; de uma vida; o tempo da incerteza; mas também o tempo do tempo que se gasta e se esgota impiedosamente.
Ficha técnica
Texto: David Desola | Tradução: Afonso Becerra e Diana Vasconcelos | Encenação: Flávio Hamilton | Interpretação: Pedro Carvalho e Jimmy Nunez | Iluminação e Sonoplastia: Eduardo Abdala | Espaço Cénico: Eduardo Abdala e Flávio Hamilton | Design Gráfico: André Rabaça | Operação de Luz: José Lopes | Operação Som: Flávio Hamilton | Direcção Artística do Teatro Art’Imagem: José Leitão | Produção: Sofia Leal e Daniela Pêgo

teatro (espetáculo bilingue)| 60 min. | maiores 12 anos


Auditório do Teatro das Beiras
26 de setembro de 2020
21h30

TEATRO GUIRIGAI

Libro de Buen Amor

 Arcipreste de Hita. Versão de Agustín Iglesias

A Comparsa del Arcipreste chega comemorando a procissão da Virgem e a fertilidade da Terra. Anuncie os prazeres do Bom Amor e o bom humor necessários para as artes da sedução. Eles encenam a juventude inexperiente do Arcipreste apaixonado por cristãs, mouras e judias; os conselhos de Don Amor e Venus; as histórias de amantes preguiçosos, as de Pitas Payas; o amor de Don Melón e Dona Endrina; a astúcia de Trotaconventos; a luta entre Don Carnal e Dona Cuaresma. A Comparsa se despede comemorando a plenitude da freira Dona Garoza.
Ficha técnica
Texto e direção: Agustín Iglesias | Música original: Fernando Ortiz | Cenografia: Marcelino Santiago Kukas | Figurinos: Luisa Santos | Coreografia: Fernando Sanz Romualdo | Interpretação: Raúl Rodríguez, Magda Gª-Arenal, Jesús Peñas, Mercedes Lur e Asunción Sanz | Projeto de iluminação: Lucía Alvarado | Espaço Cénico: Jean Halbing | Gravação: EWWK | Técnico de luz e som: José Mª Mato | Design gráfico: Isabel Dublino | Comunicação: Toñi Escobero | Produção: TEATRO GUIRIGAI

teatro | 90 min. | maiores 16 anos


Auditório do Teatro das Beiras
28 de setembro de 2020
18h30

KRISALIDA TEATRO

Plastikus

 Criação Coletiva

Ondina vive junto às ondas do mar, onde elas rebentam e enchem de espuma a praia. Durante muitos e muitos anos, apenas a espuma banhava a areia da praia. E era aí que Ondina brincava com os seixos e com a espuma do mar. Mas novos objetos com sons, cores e formas extraordinárias surgiram na sua vida e Ondina gostava de brincar com eles. Pareciam uma nova espécie muito amigável e tão prestável que, devagarinho, se foram entranhando na sua vida. Quanto mais se entranhavam, mais ela precisava deles e sem dar por isso, o PLASTIKUS tornou-se absolutamente indispensável. E, assim cresceu, cresceu, cresceu na sua vida e Ondina rapidamente descobriu que ele estava por todo o lado! Por todo o lado mesmo!
Ficha técnica
Encenação: Clara Ribeiro | Interpretação: Carla Magalhães, Joana Vilar e Nuno J. Loureiro | Direção Plástica e Marionetas: Teatro e Marionetas de Mandrágora | Espaço cénico, Adereços e Figurinos: Grácia Cordeiro | Desenho de Luz: Rui Gonçalves | Desenho de Som: Manuel Brásio | Design: Ricardo Ferreira | Comunicação: Rubina Jassat | Produção: Krisálida

teatro de marionetas | 45 min. | maiores 3 anos


Auditório do Teatro das Beiras
29 de setembro de 2020
18h30

TEATRO DO NOROESTE

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá

 A partir de Jorge Amado

Engana-se quem pensa que uma andorinha não se pode apaixonar por um gato. Esta é a história que a Manhã ouviu do Vento e contou ao Tempo. Uma História de amor. Uma reflexão sobre um mundo de preconceitos, desigualdades, injustiças, incompreensão e pouco amor ou, pelo menos, ainda não o suficiente. Um mundo, enfim, que não presta. Até porque: "O mundo só vai prestar/ Para nele se viver/ No dia em que a gente ver/ Um gato maltês casar/ Com uma alegre andorinha/ Saindo os dois a voar/ O noivo e a sua noivinha/ Dom Gato e dona Andorinha".
Ficha técnica
Texto a partir de O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá de Jorge Amado | Cocriação e Encenação: Tiago Fernandes | Cocriação e Interpretação: Ana Perfeito, Alexandre Calçada e Elisabete Pinto | Construção de Cenário e Adereços: Jorge Portela e José Esteves | Guarda Roupa: Teresa Soares | Apoio ao Guarda Roupa: Flávia Silva e Hugo Rodrigues (Estágio Curricular do Curso Profissional de Design de Moda ETAP Cerveira) | Voz-off: Maria Alcina Cruz | Desenho de Luz: Nuno Almeida | Seleção Musical: Tiago Fernandes | Produção: Adriel Filipe | Desenho Gráfico e Fotografia: Rui Carvalho

teatro | 50 min. | maiores 3 anos


Auditório do Teatro das Beiras
30 de setembro de 2020
18h30

TEATRO DO MONTEMURO

Germinação

 Abel Neves

Alpindo e Boleta são dois amigos gaiteiros também pantomineiros. Para eles a vida é jardinagem e uma constante viagem. Gostam tanto de histórias e de viajar, que levam nas mochilas muito que contar. Falam tanto de reis da história de Portugal como de palavrinhas inventadas com sabor musical. Fazem germinar ideias como o rio dá lampreias. Um podia ser Florindo e a outra Borboleta mas, ei-los, meninas e meninos, Alpindo e Boleta, num teatrinho de canção que se chama Germinação.
Ficha técnica
Texto: Abel Neves | Encenação: Paulo Duarte | Cenografia, adereços e figurinos: Sandra Neves | Direção musical: Fernando Mota | Interpretação: Abel Duarte e Dóris Marcos | Assistência à cenografia e cenários: Carlos Cal e Maria da Conceição Almeida | Costureiras: Capuchinhas CRL e Maria do Carmo Félix | Direção de Produção e Comunicação: Paula Teixeira | Assistência à produção e comunicação: Marta de Baptista | Direção de cena: Abel Duarte

teatro | 60 min. | maiores 6 anos


Auditório do Teatro das Beiras
2 de outubro de 2020
21h30

KARLIK DANZA TEATRO

El licenciado Vidriera

 A partir de Cervantes

"El Licenciado Vidriera" é uma adaptação do texto de Cervantes inspirada nos novos conceitos de dramaturgia, mas respeitando a obra original e a linguagem de Cervantes. Funde o teatro textual e físico com o flamenco ao vivo, símbolo do grito de loucura do protagonista, e com um espaço sonoro que transforma composições musicais em verdadeiras referências com valor narrativo. Um conto pertencente às "novelas exemplares", escrita entre 1590 e 1612, mas que não foram reunidos até 1613 pelo próprio Cervantes, após o reconhecimento obtido pela primeira parte de D. Quixote. "Mr. Vidriera" é a nossa adaptação, a partir de um processo de investigação teatral contemporânea. Com uma aposta cenográfica carregada de poesia visual, há um trabalho conceptual dos objetos e um simbolismo em que os elementos adquirem significados diferentes, nos quais as criações em vídeo também têm destaque.
Ficha técnica
Texto: Miguel Cervantes | Direção e dramaturgia: Cristina D. Silveira | Adaptação e assistência: Pedro Luis López Bellot | Interpretação: Jorge Barrantes e Alberto Moreno | Cenografia e adereços: David Pérez e Diego Ramos | Figurinos: Myriam Cruz | Espaço Sonoro: Álvaro Rodríguez | Criação de vídeo: El Desván Teatro e Mara Nuñez | Iluminação: David Pérez

teatro | 60 min. | maiores 16 anos


Auditório do Teatro das Beiras
3 de outubro de 2020
21h30

TEATRO DAS BEIRAS

Una Donna Sola

 Franca Rame e Dario Fo

Numa sala muito cor-de-rosa, de uma casa muito escura, uma solitária mulher executa a rotineira tarefa “muito feminina” de passar a roupa a ferro. Ela passa, passa, passa… Subitamente, dá conta que no prédio defronte, num apartamento até então desabitado, se instalou uma nova inquilina. Tudo muda: deixa de estar só! Começa então entre elas uma conversa (na verdade, um solilóquio) na qual, sob múltiplos aspetos, se evidencia a relação homem/mulher, hoje como no passado, uma questão de antropofagia. Diz Unamuno que o homem não pode viver senão de fome. A mais viva expressão de amor é “Eu comia-te!” (...) Só que hoje já não comemos as carnes; comemos as almas! É desta matéria, na sua abrangência real e metafórica, que fala o espetáculo. Contribuir para uma reflexão bem disposta sobre a condição feminina, fazendo jus às palavras de Franca Rame: “Há dois mil anos que choramos. Vamos agora rir, rir de nós próprias".
Ficha técnica
Texto: Dario Fo e Franca Rame | Encenação: Luís Vicente | Cenografia e figurinos: Luís Mouro | Desenho de luz: Fernando Sena | Interpretação: Antónia Terrinha | Operação de luz: Hâmbar de Sousa | Operação de som: Fernando Sena | Voz-off: Luís Vicente, Nuno Geraldo e Roberto Jácome | Costureira: Amélia Cunha | Produção: Celina Gonçalves | Fotografia e Vídeo: Ovelha Eléctrica

teatro | 55 min. | maiores 14 anos