POLÍTICA DE COOKIES

Este site utiliza cookies para o bom funcionamento do site e para otimizar a sua experiência de navegação. Para saber mais sobre a utilização dos cookies ou como os gerir ou desativá-los neste dispositivo por favor consulte a Política de Cookies.

Saber mais

Festival de Teatro

DSC 4901
Teatro das Beiras

Quadros do Interior


José Carretas
Auditório do Teatro das Beiras
20 de setembro 2022
21H30

Adaptar Alçada Baptista para Teatro é muito fácil porque já lá está tudo. Por isso é que é tão difícil adaptar Alçada Baptista para teatro: como está lá tudo, é muito difícil de caber. Portanto é inevitável seleccionar. Nós fomos pelo lado do humor e da ternura, características tão importantes na obra dele. O Humor como forma de enfrentar a escrita e a vida. O humor, muitas vezes, só pelo prazer de um sorriso inteligente ou de uma gargalhada indefesa. O humor distanciado e as pequenas histórias para registar coisas tão complexas como a época que se vive e tão pequeninas como um gesto de carinho. 

Autor: José Carretas

Encenação: José Carretas

Música: Blandino Soares

Cenografia: José Carretas e Nuno Sanches

Figurinos: Margarida Wellemkamp

Interpretação: Eva Fernandes, Flávio Hamilton, Sofia Bernardo, Sofia Valadas, Pedro Fiúza e Marco Telmo

 

http://teatrodasbeiras.pt/
Teatro | Para maiores de 12 anos
Fotoartistasunidos
Artistas Unidos

Music Hall


Jean-Luc Lagarce
Auditório do Teatro das Beiras
15 de novembro 2006
21H30

Music-hall. Uma palavra que brilha como os projectores e as lantejoulas. Music-Hall. Uma palavra que canta como as cantoras sexy. Music-Hall. Uma palavra que sabe a martinis e gin-fizz. Music-Hall. Uma palavra que ilumina em letras vermelhas que fazem sonhar. Mas, se tudo desaparecesse, como “fazer como se nada se tivesse passado”? Music-hall.

Agarrada ao seu banco alto e às recordações do seu início, uma cantora de variedades conta a vida, a que levou, de noite em noite, num decrescendo lento, a ir imperceptivelmente passando dos verdadeiros cabarés às festas de aldeia onde um público grosseiro e cheio de cerveja sucede aos espectadores mais elegantes.

Nessa noite, mais uma vez, nesse lugar “que julga poder ser um music-hall”, lá estão, ela e os seus dois boys.

Tentando sobreviver no baldio dos arrabaldes cinzentos, as três personagens de Music-Hall agarram-se como podem a um mundo que os rejeita, na esperança vaga de encontrar um lugar, uma réstea de glória e um projector que os tire do anonimato.

Através desta metáfora terna e desesperada da precariedade do mundo do espectáculo, Jean-Luc Lagarce interroga-se sobre o sentido do destino humano e exprime todas as nossas esperanças e desencantos. Não estamos nós sempre confrontados, mesmo fora do palco, ao êxito e ao fracasso, à dúvida e à realidade?

Encenação: François Berreur

Interpretação: Américo Silva, António Simão e Pedro Carraca

Cenografia: José Manuel Reis

Figurinos: Margarida Wellemkamp

Interpretação: Eva Fernandes, Flávio Hamilton, Marco Telmo, Sofia Bernardo, Sofia Valadas e Pedro Fiúza

https://artistasunidos.pt/
Teatro | Para maiores de 12 anos
Procurador1
Teatro das Beiras

O procurador de amigos


Jorge Cabral dos Santos
Auditório do Teatro das Beiras
16 de novembro 2005
11H00

Durante uma acção de busca de um jovem, perdido algures numa montanha, dá-se um encontro entre um adulto e uma criança. Dois personagens, cada um de mundos distintos. Nem a Protecção Civil nem os Bombeiros se dão conta, mas na verdade, durante a busca, estes dois personagens viajam para além do real, percorrendo uma longa aventura, cheia de histórias e personagens fantásticos, que mais não são que parábolas do comportamento humano. Daí a possibilidade da descoberta, uma ideia de esperança alicerçada na amizade na solidariedade e no respeito mútuo nas diferença de cada um.

Encenação: Isabel Bilou


Interpretação: Luís Santiago, Sofia Bernardo, Sofia Valadas


Figurinos: Fábio Inglesa


Desenho de luzes: Fernando Sena

 

http://teatrodasbeiras.pt/
Teatro | Para maiores de 6 anos
Fotoacert
Trigo Limpo - Teatro ACERT

Uma História a penas


Auditório do Teatro das Beiras
17 de novembro 2005
11H00

Uma história a penas é falar de aves, de sensualidade, de namoro e de ovos, falando de nós. Com as palavras de Luisa Dacosta, Maria Angelina e Raul Brandão cosemos e cozinhámos esta história: (Lá bem fundo na nossa memória colectiva está guardada, em pedacinhos, a noção de festa e de povo, de fartura e de pão, de fome e de prazer...) Era um pássaro e uma menina (e a memória dessa menina agora já menos menina)... Era o Russo e a Pisca, (ele um moço quase homem, ela uma outra menina), as andorinhas, adão e eva e a serpente, o boi, o cão e o gato, o galinheiro, o cuco, as aranhas, o mocho, as pedras, os penedos e o caracol... E um castigo... Russo de Má Pelo prepara-se para deitar abaixo o ninho das andorinhas. - É um pecado - diz a Pisca com os olhos a luzir e morta também por ver o ninho no chão. Uma cana deita os ninhos abaixo.

Ergue-se a velha e diz de repente transfigurada:

- Vais aprender a sofrer! Primeiro serás saltão. E depois, cada ano, as andorinhas dirão em que bicho te tornarás. Hás-de saber o que é a vida.

A Pisca intercede de mãos postas.

- Não! Ao menos deixe-me acompanhá-lo, para que tenha alguém ao pé de si...

Bem, quando for pedra no Marão, serás seixinho ao seu lado.

E uma caminhada...

Russo e Pisca partem, encontram-se e desencontram-se como num conto popular, são pedra juntos e aves, ele desespera, ela anima-o, até que reencontram a velha que lhe retira o feitiço.

Dramaturgia e encenação: Pompeu José

Cenografia: Zé Tavares e Marta Fernandes

Máscaras e bonecos: Luis Pacheco

Música: Teresa Ferreira

Letras: José Rui Martins

Figurinos: José Rosa

Interpretação: Raquel Costa, Ruy Malheiro e Sandra Santos

Desenho de luz: Luís Viegas

https://www.acert.pt/acert/
Para maiores de 6 anos
Fotobaal17
Baal 17

O Campo


Martin Crimp
Auditório do Teatro das Beiras
18 de novembro 2005
21H30

Corine, Ricardo e os seus filhos deixaram a cidade para viverem no campo. Esta mudança seria a solução para todos os seus problemas.

Quem é a mulher que Ricardo encontrou inanimada na berma da estrada? Porque é que ele a trouxe para a sua casa? Quem é que fala realmente verdade?

Somos confrontados com o neurótico e com o psicótico num enredo de 90 minutos onde: “as crianças não tem nome, um copo água sabe a nada, as malas se derramam, um par de sapatos pode transformar pessoas diante dos nossos olhos e onde as cadeiras de pedra devoram corações”.

Encenação: Rui Ramos

Cenografia: João Sofio

Luz: Mafalda Oliveira

Interpretação: Sónia Botelho, Marco Ferreira e Telma Saião

 

http://www.baal17.pt/site/
Teatro | Para maiores de 12 anos
Fotoentretanto
Entretanto Teatro

(Re)Apareceu a Margarida


Roberto Athayde
Auditório do Teatro das Beiras
19 de novembro 2005
21H30

RE Apareceu D. Margarida” de Roberto Athayde é uma peça tragicómica que retrata o dia-a-dia de uma sala de aula da severa Professora D. Margarida, que se desloca numa trama de indagações onde é a própria a dar as respostas que os alunos deveriam responder.

D. Margarida transforma a plateia em alunos para discutir e criticar uma sociedade oprimida, metamorfoseando as disciplinas de Biologia, História e Matemática, em instrumentos de práticas terroristas.

A linguagem e as expressões irónicas usadas pela personagem, mostram claramente a nossa sociedade actual, com os seus encontros e desencontros, situações conflituosas e a opressão do regime totalitarista, evidenciando a busca de uma nova escola de formação mais humanista.

D. Margarida, na sua condição neurótica e solitária, amedronta, agride, faz-nos rir e leva-nos à condição de esqueleto, com um humor próprio de uma mulher, cujo verbo principal é a violência.

Encenação: Gabriel Villela

Interpretação: Júnio Sampaio

Participação: Hugo Sousa

Cenografia: Gabriel Villela

Desenho de luz: Tiago Catarino

Música: Tiago Catarino

https://entretantoteatro.pt/
Teatro | Para maiores de 12 anos
Fotoportalegre
Teatro Portalegre

Na Corte d'El-Rei Tadinho


Alice Vieira
Auditório do Teatro das Beiras
21 de novembro 2005
11H00

El - Rei Tadinho é uma adaptação da obra de literatura infanto-juvenil de Alice Vieira, “Graças e Desgraças na Corte d’El-Rei Tadinho”, autora sobejamente (re)conhecida.

A escolha do texto demonstra a preocupação em abordar outros géneros literários, neles (re)descobrindo novas potencialidades e outras leituras diversificadas.

“[…] Diziam os grandes Livros de Leis do Reino das Cem Janelas que a crise, quando nascia, era para todos. Ou seja: se faltava comida na mesa do ferreiro, faltava também na mesa do juiz; se entrava água em casa do pedreiro, também entrava na do físico da corte.

Nem sequer o rei escapava à força da Lei e, por mais de uma vez, em Invernos rigorosos, Sua Majestade, El-Rei Tadinho, era visto a meio da noite agarrando em tudo o que era balde para pôr nos cantos do palácio onde chovia como na rua.[…]” Li o livro da Alice Vieira há muitos anos já, quando o meu filho, João Paulo, era miúdo… Sempre pensei levar a história ao palco, mas apareceram um e outro projectos pelo meio e, só agora, é chegado o momento de o testar.

Encenação: José Mascarenhas

Cenários e Figurinos: Sónia Tavares

Desenho de Luz: Armando Mafra

Desenho de Som: Hélio Pereira

https://caeportalegre.blogspot.com/
Teatro | Para maiores de 6 anos
Fotocendrev
CENDREV - Centro Dramático de Évora

Auto da Fama


Gil Vicente
Auditório do Teatro das Beiras
22 de novembro 2005
11H00

O "Auto da Fama" funda-se  em que uma mocinha das Beiras, chamada Fama Portuguesa anda guardando patos na companhia de um parvo chamado Joane, que logo se põe a dormir. Todos querem a Fama Portuguesa, a França, a Itália e Castela, todas representadas por um francês, um italiano e um castelhano. Todos cortejam a Fama Portuguesa e a querem levar consigo. Gil Vicente encontra aqui nos sotaques próprios dos países referidos, diálogos extremamente jocosos, repelindo-os sempre a Fama Portuguesa. Até que entram a Fé e a Fortaleza que vêm honrar a pastora de patos com uma coroa de louros e a entronizam como Princesa das famas com grande acompanhamento musical.

Encenação: José Russo e Mário Barradas

Música: Gil Salgueiro Nave

Cenografia e Figurinos: Joaquim Tavares

Interpretação: Figueira Cid, Isabel Bilou, José Russo, Maria Marrafa, Rui Nuno e Victor Zambujo

http://www.cendrev.com/
Para maiores de 12 anos
Fotoimaginario
Teatro do Imaginário

Histórias do Medo


Isabel Bilou
Auditório do Teatro das Beiras
23 de novembro 2005
11H00

Histórias do medo relata-nos o quotidiano de Beatriz uma menina do nosso tempo confrontada com os medos próprios da sua idade, o escuro, os monstros dos sonhos e da TV, o medo da separação dos pais, o medo da escola, o medo de estar doente…

Um dia chega um novo vizinho, chama-se Ali, vem de outro continente de outra cultura. Também ele na sua fragilidade de criança é agora assaltado por muitos outros medos, uma nova língua para aprender, uma nova cultura para decifrar, a incompreensão a intolerância duma sociedade que não reconhece o direito à diferença.

Só a Beatriz reserva um espaço no seu coração para o novo vizinho/amigo. E quando Ali se vê obrigado a acompanhar os seus pais de regresso à sua terra distante fugindo da insensibilidade e do ódio de alguns outros vizinhos, Beatriz não compreende as razões da perca do seu amigo nem tão pouco a crueldade do mundo “civilizado” em que vive.

 

Encenação, cenografia e figurinos: Isabel Bilou

Iluminação e sonoplastia: Wladimiro Garrido

Interpretação: Margarida Cunha, Raquel Reis e Susana Russo

Teatro | Para maiores de 6 anos
Fotojangada
Jangada Teatro

Os Zingareios de Serafina e Malacueca


António Torrado
Auditório do Teatro das Beiras
24 de novembro 2005
21H30

Serafina e Malacueca são duas mulheres que zingareando pela vida se descobrem a si próprias. Nos seus zingareios vão-se cruzando com os senhores e patrões do mundo, que as aliciam e manipulam, transformando-as em lacaias do poder. Mas estes zingareios levam-nas a tomar maior consciência do seu ser e querer, não se deixando subjugar e mantendo-se firmes na sua procura.   

Encenação e Dramaturgia: Manuela Pedroso

Interpretação: Carla Alves, Luiz Oliveira, Manuela Paulo e Xico Alves

Cenografia e Figurinos: Luís Santos

Desenho de Luz:  Manuela Pedroso

Operador de luz e som:  Pedro Luciano

http://jangadateatro.com/
Para maiores de 12 anos
Fotoperipecia
Peripécia Teatro

Clean Clown


Auditório do Teatro das Beiras
25 de novembro 2005
21H30

Trata-se de um espectáculo de Clown Cómico-Visual possivelmente inspirado nos filmes de Buster Keaton. Com uma curiosa sonoplastia ao vivo e uma mágica manipulação de objectos encerra em si uma linguagem universal capaz de atrair todo o tipo de públicos.

O espectáculo começa na manhã de um belo dia depois de uma grande noite de festa. O espaço está repleto dos restos festivos da noite anterior: serpentinas, confetis, pratos e copos de plástico, garrafas, chapelinhos de papel, restos de papel de embrulho e muitas outras coisas típicas de grandes farras!... Além de tudo isto há um indivíduo que se confunde com aqueles restos: é o baterista da banda que animou a dita festa e a sua Bateria-de-Latas-Loucas.

Este é o quadro encontrado pelos dois encarregados da limpeza do local.

Se vão limpar, varrer ou esfregar ninguém sabe, mas o palco vai brilhar! Não pelo detergente utilizado, mas pela forma divertida com que estas personagens vão resolver a situação com que inesperadamente se encontraram.

Criação colectiva: Ángel Fragua, Noelia Domínguez e Sérgio Agostinho

Iluminação: Peripécia e Paulo Neto

Figurinos: Noelia Domínguez e Oliveira Gonçalves

 

https://peripeciateatro.com/
Para maiores de 6 anos
Fotoartimagem
Teatro Art'Imagem

Ratos e Homens


John Steinbeck
Auditório do Teatro das Beiras
26 de novembro 2005
21H30

Dois amigos inseparáveis, trabalhadores temporários, têm muita dificuldade em arranjar emprego durante o período da Grande Depressão nos Estados Unidos, devido principalmente à deficiência mental de que sofre um deles.
Quando conseguem arranjar um trabalho numa quinta, dirigida despoticamente pelo filho do patrão, a sua amizade cimenta-se e estende-se a outros trabalhadores, vítimas de prepotência e, ambos podem finalmente sonhar com uma parcela de terra só para eles. Porém, a tragédia abate-se sobre a dupla, quando a bela e infeliz mulher do filho do patrão entra nas suas vidas. O Autor propõe-nos um olhar sobre a injustiça, o sonho de uma vida melhor e sobretudo sobre as pequenas coisas. Olhámos cada vez menos para o nosso lado, para o nosso amigo. Amizade, talvez
seja disso que a peça trata realmente.

Dramaturgia e encenação: Fernando Moreira

Música: Carlos Adolfo

Espaço Cénico: Ricardo Preto

Desenho de luz: Leuman Ordep

Interpretação: Valdemar Santos, João Paulo Brito, Pedro Carvalho,
Luís Araújo e Ângela B. Marques

https://www.teatroartimagem.org/
Teatro | Para maiores de 12 anos
Fotopepoubelle
Pépou Belle

Como o fogo chegou à mão do homem?


Inês Neiva e Déborah Benvenist
Café-Teatro - Teatro das Beiras
18 de novembro 2005
23H30

Duas irmãs brigam constantemente.

Ambas querem o mesmo cesto.

Este cesto não é um cesto qualquer.

Este cesto abriga os livros preferidos de ambas.

Cada livro guarda entre as suas páginas os segredos das histórias.

Existe neste cesto um livro que despertou a curiosidade de ambas.

Uma história fundamental:

“Como o fogo chegou à mão do homem?”

Criação e interpretação: Inês Neiva e Déborah Benvenist

Fotogalissa

Galissa Ensemble


Café-Teatro - Teatro das Beiras
19 de novembro 2005
23H30

José Braima Galissa é um dos mais importantes músicos oriundos da Guiné-Bissau a residir actualmente em Portugal. Herdeiro de uma tradição familiar de tocadores de kora,  ele é hoje um verdadeiro embaixador da musica da etnia mandinga. Este instrumento, o Kora é um cordofone  conhecido como a harpa africana, já que possui um elevado número de cordas e é tocado de forma similar à harpa da cultura musical do ocidente. De som cristalino e num rendilhado harmónico, acompanha a voz nas celebrações rituais da cultura islâmica daquela região de Africa.

Galissa dirige um conjunto de músicos também eles oriundos da Guiné-Bissau, onde se misturam os sons da tradição e as novas tecnologias da musica electrónica que são hoje o painel  de fundo sonoro das grandes  cidades de Africa. Tradição e modernidade numa mistura rítmica e melódica que estimula o gesto e o movimento.

 

Kora e Voz: José Braima Galissa        

Piano elétrico: Juca Delgado                  

Baixo: Nene Mateus                 

Bateria: Toni Bate                       

Djambé: Domingos Sá                   

Música |
Fotovaatao
Vaatão

Ai Valentim, Valentim


Karl Valentin
Café-Teatro - Teatro das Beiras
25 de novembro 2005
23H30

Este espetáculo com características do café concerto é estruturado em "quadros" que retratam com o humor típico do autor, uma espécie de "non sense" seco e inteligente, situações e personagens do nosso quotidiano.

Encenação: Luís Beato

Música: Fernando Paussão e João Paulo Leitão

Interpretação: Alice Almeida, Fernando Paussão, Gabriel Varela, Horácio Brás, João Paulo Leitão, Maria da Luz, João do Russo, Luís Beato, Luís Rosa, Maria João Bragão, Vera Martins e João Pedro.

Fotoanonima
Anonima Nuvolari

Spaghetti Unza Unza


Café-Teatro - Teatro das Beiras
26 de novembro 2005
23H30

O reportório proposto pela “Anónima Nuvolari” afunda as suas raízes  na música popular e consiste numa viagem através dos últimos 50 anos da canção italiana: tendo como ponto de partida o Maestro napolitano Renato Carasone, passa-se por referências como Fred  Buscaglione ou Adriano Celentano, para chegar até autores contemporâneos entre os quais estão Paolo Conte e Vinicio Capossela, mantendo contudo uma continuidade artística baseada numa interpretação cheia de genuinidade e simpatia.

Músicos: Donatello Nuvolari, Michele Nuvolari, Sérgio Nuvolari, Gian Marco Nuvolari e Beniamino Nuvolari.

Música |
Fotoexpzealmeida

Humor em Sustenido


Zé d'Almeida
Foyer do Teatro das Beiras
13 de novembro 2005
11H00

O Zé d'Almeida trocou a exuberância das Luzes e Lusitos pelos tons suaves e sublimes, "sustenidos" lhes chama ele do piano. Com esta abordagem dá uma pausa ao cartonista e deixa lugar ao artista que se comove com a beleza do piano e a quer partilhar. Há que distinguir, nesta abordagem ao piano, o tema da composição. O tema é uma sugestão antiga, provavelmente nascida das idas a Belgais, executar a virtuosidade de Maria João Pires e respirar o ar mágico que daquele local emana. Quem vê A Caminho de Belgais, lado a lado com Ouro Negro percebe que é a dádiva da pianista que o autor aqui elogia. 

Merece atenção mais demorada a maneira que escolheu para exprimir essa admiração. Do tema passamos, assim, à composição. A primeira abordagem é visual e de duas tonalidades, uma marítima e a outra campesina - a água e a terra a pacificar um horizonte de esperança, a perder de vista, sinalizado pelo piano de cauda. Vem, depois, uma segunda leitura, alegórica, que o título sublinha e reenvia para a interpretação do género pictórico.

(in catálogo da exposição "Sustenidos")

Criador: Zé d'Almeida

Exposição |