POLÍTICA DE COOKIES

Este site utiliza cookies para o bom funcionamento do site e para otimizar a sua experiência de navegação. Para saber mais sobre a utilização dos cookies ou como os gerir ou desativá-los neste dispositivo por favor consulte a Política de Cookies.

Saber mais

Festival de Teatro

Acasaencantada
Cine-Teatro Constantino Nery

A Casa Encantada


Roberto Merino
Auditório do Teatro das Beiras
03 de novembro 2012
21H30

A casa encantada é um Projeto/performativo com encenação de Luisa Pinto.

Trata-se de uma instalação encenada onde o ator procura uma relação mais próxima com o espectador. É uma viagem por vários espaços cruzando o Teatro e Artes plásticas, vivenciando atmosferas diversas em cada cena.

Trata-se também de uma instalação cénica  a partir de cenografia e adereços de projetos anteriores.  Aqui a palavra de ordem é recriar, tirar os objetos do seu contexto inicial e habitá-los de uma outra forma. Inspirado na ” A Casa encantada “(Spellbound) , título dado ao filme de 1945, realizado por Alfred Hitchcock, particularmente famoso pela cena que inclui um momento onírico vivido pelo personagem central, ilustrado pelo pintor Salvador Dali.

Nesta criação encontram-se várias figuras das artes do século XX que deambulam pelos espaços num contexto surrealista falando sobre temas comuns a todos nós, o amor, a obra, a vida e a morte.

Projeto performativo e encenação: Luisa Pinto

Dramaturgia: Roberto Merino

Intérpretes: Isabel Carvalho, João Costa e Rui David

Direção Musical: Rui David

Desenho de Luz: Bruno Santos

Grafismo e Vídeo: Miguel Santiago Miranda

Coreografia do Tango: Óscar e Gladys Zalazar

Produção Cine-Teatro Constantino Nery/Câmara Municipal de Matosinhos

Apoio Porto Editora

https://www.cm-matosinhos.pt/servicos-municipais/cultura/teatro-municipal-de-matosinhos-constantino-nery
Teatro | 75 min | Para maiores de 16 anos
Setemedos
D'Orfeu Associação Cultural

Eram 7 os Medos do Pedro


Odete Ferreira
Auditório do Teatro das Beiras
05 de novembro 2012
11H00

Era uma vez o Pedro. A avó do Pedro. O amor dos dois. E os 7 medos do Pedro, um menino igual aos outros que navega no mar, no ar e no computador. O mundo mágico da infância, onde a fantasia vence medos.
Criação infantil da d’Orfeu, actores em carne e osso contracenam com a espectacularidade de uma cenografia multimédia. Uma grande criatividade visual, entre cenários reais e virtuais, para contar uma história mágica de valentia.

Interpretação: Ana Lúcia Xavier e Ricardo Falcão
Texto: Odete Ferreira
Caracterização e Cenários: Ana Lúcia Xavier, Ricardo Falcão e Léa López
Multimédia, animações e ilustrações: Léa López, Ricardo Falcão, Benjamin Fauvel
Sonoplastia: Rui Oliveira, Ricardo Falcão, Jorge Oliveira, Bojan Ristovic
Fotografia: André Brandão
Direcção Técnica: Rui Oliveira

https://www.dorfeu.pt/
Teatro | 30 min | Para maiores de 3 anos
Lobos
Baal 17

Há lobos sem ser na serra


S. Prokofiev
Auditório do Teatro das Beiras
06 de novembro 2012
11H00

Quando o que nunca vi passa a ser mais importante que o que vejo todos os dias, a
curiosidade ganha força e a aventura é quase inevitável…
Um avô pode perceber que o neto se farte das proibições, dos dias sempre iguais, de estar sempre sozinho, de só viajar na imaginação e que queira “saltar o muro”. Mas um avô também sabe que “aqui tudo é seguro, tudo é tranquilo” ao passo que, “do outro lado”, nem todos os lobos estão na serra. Até porque desses já há poucos…
Num ambiente inesperado, três actores dão corpo(s) a estas três realidades:
alguém que se aproxima do fim e que quer proteger o que está à sua guarda; alguém que inicia o percurso com uma curiosidade cada vez maior; e as transformações, inevitáveis e irreversíveis, que fazem parte daquilo que somos.
A partir de “Pedro e o Lobo” de S. Prokofiev e de ateliês com crianças e idosos, “Há lobos sem ser na Serra” brinca com a linguagem e os códigos teatrais. Tudo para contar uma história que, fugindo ao certo e errado, fala de medo, amor, descoberta e transgressão numa relação entre um avô, um neto e uma ameaça que podia muito bem ter a forma de um lobo.

Ideia e concepção geral: Marco Ferreira I Interpretação: Filipe Seixas, Rodrigo Martins e Vânia Silva

Cenografia e figurinos: Bruno Guerra

Desenho de Luz: Paulo Troncão

Construção de cenário: João Sofio e João Sousa

Costura: Aldina Sousa

Produção: Sandra Serra

Assistência produção: Ana Antão

Gestão: Rui Ramos

http://www.baal17.pt/site/
Teatro | 45 min | Para maiores de 6 anos
Salamaleque
Teatro Extremo

Salamaleque


Fernando Jorge Lopes
Auditório do Teatro das Beiras
07 de novembro 2012
11H00

Um contador de histórias árabe conta uma lenda que narra a história de amor entre um rei e uma donzela do longínquo norte. À medida que o contador de histórias vai desenvolvendo o fio condutor desta lenda, o seu próprio imaginário transporta a sua narração para um outro conto sobre ladrões, sábios, tesouros e encantamentos…

Baseado nos contos populares “A Lenda das Amendoeiras em Flor” e “A Lenda do Ladrão da Vida e da Morte”

Conceção e Interpretação: Fernando Jorge Lopes

Movimento: Afonso Guerreiro

Sonoplastia: Celestino Verdades e Fernando Jorge Lopes

Figurinos: Alice Rolo

Desenho de Luz: Celestino Verdades

https://www.teatroextremo.com/
Teatro | 40 min | Para maiores de 6 anos
Amorflor
Encerrado Para Obras

Amor Flor


David Cruz e Estela Lopes
Auditório do Teatro das Beiras
08 de novembro 2012
11H00

Benjamim é um jardineiro sonhador que exerce a sua profissão com afinco e criatividade. É ele quem cuida de todas as flores do grande jardim público da cidade. Um dia, o seu chefe resolve adquirir um sistema de rega automática e Benjamim é despedido. Benjamim fica desorientado, sem saber o que fazer à sua vida. É neste momento de confusão que o nosso herói é visitado por uma flor mágica, uma orquídea selvagem, que lhe vai indicar o caminho a seguir….

Amor-Flor é a 32ª produção da companhia Encerrado para Obras. Dirigido a todas as faixas etárias a partir dos 4 anos, trata-se de uma comédia que utiliza as linguagens universais do gesto, da mímica, da música e da dança. Explora ainda a língua portuguesa de forma divertida e inteligente, recorrendo à rima e à poesia.

Dramaturgia e encenação: David Cruz, Estela Lopes

Actriz: Estela Lopes

Músico: David Cruz

Composição musical e ambientes sonoros: David Cruz

Assistência de encenação: Andreia Barão, Lia Nogueira, Nuno Marques Pinto

Cartaz e ilustrações: Estela Lopes

Figurino: Cristina Câmara Pestana

Cenografia: Cerci Penela                       

Operação técnica e iluminação: David Cruz

Apoio técnico: Heitor Alves

Consultoria científica: Exploratório Infante D. Henrique – Centro Ciência Viva de Coimbra

Produção executiva e colocação de espectáculos: David Cruz, Estela Lopes

 

http://encerradoparaobras-teatro.blogspot.com/
Teatro | 55 min | Para maiores de 4 anos
Novasdiretrizes
A Escola da Noite

Novas directrizes em tempo de paz


Bosco Brasil
Auditório do Teatro das Beiras
09 de novembro 2012
21H30

Em 18 de Abril de 1945, quando a II Guerra Mundial está perto do fim, um emigrante polaco, Clausewitz, desembarca no porto do Rio de Janeiro, em busca de uma nova vida como agricultor. No cais é colocado perante Segismundo, um oficial da alfândega que desconfia das intenções da entrada de Clausewitz no Brasil.
Sem o salvo-conduto assinado por Segismundo, Clausewitz será obrigado a voltar ao cargueiro e seguir viagem. Para a obtenção desse salvo-conduto, Segismundo propõe um desafio ao estrangeiro, o que leva as duas personagens, que partilham a mesma idade do séc. XX, a confrontar as suas memórias: de um lado um actor que perdeu familiares e amigos, do outro um ex-torturador que sempre cumpriu ordens.

Texto: Bosco Brasil

Encenação: António Augusto Barros

Elenco: Igor Lebreaud e Miguel Lança

Figurinos e imagem gráfica: Ana Rosa Assunção

https://www.aescoladanoite.pt/
Teatro | 50 min | Para maiores de 12 anos
Cavalomanco
ACTA - A Companhia de Teatro do Algarve

Cavalo Manco Não Trota


Luis del Val
Auditório do Teatro das Beiras
10 de novembro 2012
21H30

No momento em que o Juiz pergunta se o réu se considera culpado ou inocente,
Miguel Torres é remetido, num ápice, para um turbilhão de memórias que começam
na infância, precisamente aos oito anos, quando pela primeira vez lhe foi feita a
mesma pergunta, e terminam no momento e na circunstância em que agora se
encontra, volvidos quase quarenta anos. É o filme da sua vida que revisita em
segundos na memória, mas que na narrativa dura cerca de 1 hora. Os conflitos de
infância, a fuga de casa dos pais, a juventude de um estudante de origens humildes
na universidade e depois como marinheiro, os amores impossíveis e os amores
destruídos, o seu desempenho como construtor civil corrupto...a morte do filho.
Tudo é convocado para um “ajuste de contas” pessoal, a um tempo divertido,
irónico e amargo.

Texto: Luis del Val
Tradução: Maria João Neves
Encenação: Bruno Martins
Intérprete: Luís Vicente
Desenho e Operação de Luz: Octávio Oliveira
Espaço Cénico: Luís Vicente
Figurino: ACTA
Fotografia: Ana d’Almeida
Divulgação: Tânia da Silva
Secretariado: António Marques
Produção Executiva: Elisabete Martins
Direcção Artística e de Produção: Luís Vicente

http://www.actateatro.org.pt/
Teatro | 80 min | Para maiores de 16 anos